About Us

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.

Aenean vulputate nisl arcu, non consequat risus vulputate sed. Nulla eu sapien condimentum nisi aliquet sodales non et diam. Duis blandit nunc semper rutrum congue. Phasellus sed lacus ut odio vehicula varius. Etiam iaculis feugiat tortor ac ornare.

Stay connected

Blog Post

Quais os principais mitos e verdades do financiamento imobiliário?
Financiamento

Quais os principais mitos e verdades do financiamento imobiliário? 

Existe uma variedade de formas de se adquirir um imóvel atualmente no mercado, e é por isso que muitas pessoas acabam ficando confusas acerca de como realizar a aquisição de uma propriedade. Como é um ramo repleto de burocracias e complexidade, é importante conhecer bem como funciona o financiamento imobiliário.

Por ser um assunto com muitas informações a respeito, alguns compradores acabam ficando perdidos sobre o que realmente é verdade, já que muito do que é falado pode estar incorreto ou desatualizado com relação ao mercado imobiliário.

Os vários mitos que surgem com essa desinformação podem acabar confundindo o comprador na realização do financiamento. Se você pretende fazer um, mas tem muitas dúvidas a respeito do que realmente se trata, continue a leitura e veja alguns mitos e verdades sobre o assunto.

O que é mito e verdade no financiamento imobiliário?

No mundo do mercado imobiliário, as formas de adquirir um imóvel são inúmeras, porém a mais utilizada é o financiamento. Veja aqui algumas informações que são verdadeiras e outras que são mitos sobre essa forma de pagamento.

Os juros são muito altos?

Essa informação é um mito, afinal de contas, se for comparado com os outros financiamentos existentes, o imobiliário é um dos que tem as menores taxas existentes. Além disso, esses juros vêm caindo cada vez mais, e a correção da época da inflação não consegue mais gerar saldos devedores residuais impossíveis de se pagar.

Como a concorrência pelo crédito imobiliário cresceu bastante entre as instituições financeiras, elas acabaram lançando financiamentos com juros cada vez menores. Essa taxa pode variar entre 6% a 12% ao ano. Se fosse o caso de um carro financiado, a tarifa poderia atingir até 26% de juros.

Os juros podem ser reduzidos ainda mais quando a pessoa abate parte das parcelas na entrada. Porém, é necessário ficar atento ao valor do imóvel, que aumenta tanto a mensalidade quanto o tempo de financiamento.

O financiamento direto é mais vantajoso?

Nesse caso, vai depender bastante da forma como for negociado o financiamento. Se você escolher por financiar diretamente com a incorporadora, é mais vantajoso, por ter menos burocracia e ser possível conseguir o crédito imobiliário mais rápido. Isso se deve ao fato de as empresas serem mais flexíveis com relação à comprovação de renda e documentos exigidos.

Porém, existem também algumas desvantagens. Como as construtoras trabalham com um financiamento em um prazo médio de cinco anos, o valor das parcelas acaba sendo maior, se comparado às parcelas oferecidas pelos bancos. A entrada também é maior, cerca de 40% do valor do imóvel.

Nos bancos, o financiamento pode chegar a ser parcelado em 20 anos, e o crédito é liberado com uma entrada que varia entre 20% a 30% do valor do imóvel. Em muitos casos, dependendo das características do comprador, o financiamento pode ser feito em 100% do valor total.

As parcelas podem subir muito o valor?

Esse também é um grande mito dos financiamentos imobiliários. Os agentes responsáveis pela negociação oferecem para os seus clientes um simulador de parcelas, no qual é possível que você conheça e planeje até a última prestação do seu imóvel sem ter nenhuma surpresa com o passar do tempo.

Independentemente da forma de amortização escolhida, o SAC (sistema em que o valor das parcelas vai diminuindo ao longo do tempo) ou o PRICE (sistema em que as prestações têm o mesmo valor do início ao fim), é possível ter uma noção de como será o seu financiamento por inteiro, desde a compra até a última parcela, com todas as taxas de juros inclusas.

A única variação mínima que acontece é a correção da TR (Taxa Referencial), que é bem menor que o reajuste salarial anual de grande partes das profissões.

As prestações com valor fixo são mais seguras?

Essa informação é verdadeira. Muitas pessoas acabam temendo o aumento imprevisível das prestações, então financiar garantindo parcelas fixas desde o inicio é mais seguro e mais fácil para planejar o pagamento.

Nesse tipo de linha de crédito, uma previsão da correção monetária já vem embutida nas parcelas, o que muitas vezes é necessário em razão do risco que o banco está assumindo ao fixar a taxa em muitos anos de financiamento. Então, sim, essa é a forma mais segura de financiamento, e quem opta por ela vai saber o valor certo de cada uma das prestações até o fim.

Os resíduos inflacionários ainda existem?

Isso hoje é um mito, uma vez que o resíduo inflacionário já não existe há bastante tempo. Porém, muitas pessoas ainda têm medo desse fator, por causa das antigas regras de financiamento na época em que a inflação era muito alta. Houve casos em que as pessoas tiveram que vender o apartamento para pagar o resíduo, que podia chegar a ser equivalente ao valor do imóvel.

O resíduo inflacionário fez parte de um período em que as cláusulas contratuais demonstravam formas de reposição das perdas caso houvesse desvalorização da moeda, o que resultava em inadimplência dos compradores ao final do financiamento.

Quando a Taxa Referencial foi implantada no Plano Collor, as prestações foram drasticamente aumentadas pela inflação e pelos seguidos planos econômicos. Sendo assim, os mutuários não conseguiam honrar suas dívidas e acabaram ficando com uma inadimplência altíssima.

Porém, hoje em dia isso não existe mais, uma vez que a TR está diretamente ligada à inflação. E, com o fator redutor que foi criado, possibilitou-se ao Banco Central controlar esse índice, de modo que, hoje, os valores são limitados para serem menores que a inflação.

O melhor financiamento é oferecido pela Caixa Econômica?

Isso varia bastante, depende da forma como o financiamento for negociado. É preciso analisar a situação financeira do comprador antes de ver qual o melhor serviço oferecido.

É claro que a Caixa oferece a taxa de juros mais atrativa, mas outras instituições financeiras trazem outras vantagens, como valor maior do imóvel, tempo de financiamento prolongado, porcentagem mais flexível sobre o valor parcelado, dentre outras.

O que pode influenciar bastante na escolha do melhor banco é o relacionamento do cliente com a instituição. Se o comprador já tem a conta há muitos anos e tem uma boa reputação, ele pode conseguir vantagens que a Caixa Econômica Federal não oferece.

No final, tudo vai depender da renda da família, do valor do imóvel e do tipo de financiamento imobiliário que for feito. Portanto, antes de escolher, converse com o gerente do seu banco e faça simulações das parcelas.

Por fim, saiba que qualquer aquisição de imóveis envolve muita burocracia e negociações, portanto o ideal é ter o acompanhamento de um profissional para te ajudar desde o início. E não se esqueça do planejamento financeiro.

Gostou de conhecer o que é mito e o que é verdade sobre o financiamento imobiliário? Ficou interessado em ver mais conteúdos como esse? Então continue por aqui e veja 7 cuidados ao comprar um apartamento na planta!

Posts relacionados

Deixe uma resposta

Campos obrigatórios *