Pode parecer clichê, mas a verdade é que ter um imóvel próprio ainda é o maior de objetivo de milhares de pessoas. Afinal, todo mundo quer ter mais qualidade de vida, dispor de espaço e conforto, morar em um bairro perto do trabalho e da escola dos filhos, contar com uma residência que se valorize com o tempo e se torne o patrimônio familiar etc.

No entanto, para concretizar esse desejo, surge sempre a mesma questão: como juntar dinheiro para comprar um apartamento? E isso não é para menos, já que muita gente tem o orçamento comprometido, outros tantos moram de aluguel e alguns sequer têm reserva financeira.

Se um desses é o seu caso, não se preocupe! Neste post, você vai aprender como se organizar financeiramente para alcançar esse objetivo. Acompanhe as nossas dicas!

Elabore um planejamento financeiro

A primeira delas é bem simples: trace uma meta de valor que você precisa alcançar para comprar o imóvel à vista ou dar a entrada dele, por exemplo, e em quantos meses pode chegar a esse montante, seja sozinho ou com a ajuda do cônjuge.

Esse planejamento é crucial para que você organize suas contas, pense em estratégias para ampliar a renda e estabeleça um prazo para se mudar.

Faça cortes estratégicos nas suas despesas mensais

Outra dica importante sobre como juntar dinheiro para comprar um apartamento é fazer cortes estratégicos nos seus gastos. Isso porque, mesmo sem perceber, muitas pessoas adotam hábitos negativos que contribuem para o aumento das despesas.

Há quem pague academia, mas só vai uma vez ao mês, quem contrate serviço de TV a cabo, mas não o utilize, quem janta fora todos os dias mesmo sabendo cozinhar e tendo todos os ingredientes necessários para fazer um prato em casa e por aí vai.

Por isso, vale a pena sentar com papel e caneta, avaliar cada uma das suas despesas e pôr um fim àquelas que são dispensáveis.

Livre-se das dívidas pendentes

Depois de reduzir os seus gastos, o próximo passo é se livrar das dívidas pendentes de uma vez por todas. Do contrário, você nunca vai ter o seu salário 100% livre para poupar e usar como deseja — o que não só reduz o seu poder de compra, como diminui a sua qualidade de vida e a sua estabilidade financeira.

Sem mencionar, é claro, que ainda viverá em um constante ciclo de estresse e preocupação para quitar o que deve antes que esses boletos, faturas, carnês e afins se tornem uma bola de neve capaz de deixar o seu nome sujo na praça (SPC, SERASA e SPC) ou até mesmo protestado.

Deixe o cartão de crédito de lado

Como complemento a sugestão anterior, não se esqueça de deixar os cartões de crédito de lado. Lembre-se que eles não são uma extensão do seu salário, mas sim parte dele.

Logo, não dá para usá-los de maneira irrestrita e sem controle, pois você terá que pagar a conta no final do mês e pode, infelizmente, acabar sem dinheiro para nenhuma outra das suas despesas.

A partir daí, tudo fica atrasado, você tem que pagar uma quantidade exorbitante de juros e, como se não fosse o bastante, pode contrair uma dívida que não terá como quitar tão cedo. Portanto, o ideal é utilizar seus cartões apenas em caso de real necessidade, dando preferência sempre ao pagamento à vista.

Comece não só a poupar, mas a investir o seu dinheiro

Com o orçamento livre e a ausência de dívidas, você poderá começar a poupar sem dificuldades para alcançar aos objetivos que traçou lá no início. Contudo, não caia no erro de deixar o seu dinheiro estagnado na poupança ou mesmo na conta-corrente.

Ao contrário, informe-se sobre as opções de investimento que se encaixam no seu perfil financeiro e que tenham uma boa rentabilidade, como o tesouro direto ou a renda fixa (CDB), e aplique neles para fazer as suas reservas crescerem.

Tente ampliar o seu orçamento com uma renda extra

Uma sexta sugestão é que você busque alternativas de renda extra para ampliar o seu orçamento e, assim, conseguir poupar uma quantia maior a cada mês. Por exemplo, se você trabalha com captação e edição de imagem e som em um estúdio de TV ou cinema, uma possibilidade é pegar trabalhos freelances de edição e produção de vídeos.

Se você é advogado e atua em um escritório de advocacia com horário flexível, pode ser uma boa ter clientes próprios para atender quando não estiver no ambiente de trabalho.

Além disso, o número de pessoas que recorrem aos aplicativos de transporte particular para aumentar os ganhos mensais cresceu nos últimos anos. Segundo reportagem da Folha de São Paulo, só na Uber o total de motorista foi de 50 mil para 500 mil entre 2016 e 2017. Portanto, não deixe de explorar as suas opções!

Permaneça durante o período de transição em um imóvel com um custo de manutenção mais em conta

Por fim, aqui vai uma dica extra que será bastante útil para o seu bolso, especialmente no período de pesquisa pela residência que mais se adéqua às necessidades da sua família: permaneça em um imóvel que tenha um custo de manutenção menor!

Ou seja, um apartamento que tenha não apenas o aluguel, como também a taxa condominial mais em conta. Afinal, não há sentido você ter, além das contas regulares (de água, luz, internet, telefonia etc), grandes despesas nesse período de transição para a sua casa.

Tenha em mente que poupar gastos é uma excelente estratégia para aumentar as suas reservas financeiras e deixar seu orçamento mais flexível para quando estiver morando no seu novo lar e precisar, por exemplo, pagar o financiamento dele, fazer uma reforma, projetar a decoração etc.

Como você viu, saber como juntar dinheiro para comprar um apartamento não é uma missão impossível. Ao contrário, só é preciso organização, controle de gastos, noção de investimentos e medidas paliativas quando necessário. Por isso, siga todas as nossas dicas e comece já a se programar para essa nova etapa na sua vida!

Aproveite também e confira quais são as vantagens e os cuidados necessários ao comprar um apartamento na planta!